Elso Alves de Oliveira, o “Índio”, CTV da Agro100 na filial de Eldorado-MS, trabalhou na roça, jogou futebol profissionalmente, se aventurou pela política e trabalhou em várias empresas do agronegócio, mas diz que se encontrou trabalhando na empresa. Índio é natural do interior de São Paulo e chegou com a família em Mundo Novo-MS em 1975, quando seu pai comprou uma propriedade formada com café. O café acabou logo e passaram a plantar amendoim, feijão e algodão, até a chegada da mandioca e da soja na região, o que cultivam atualmente. Em 1983, foi fazer o curso de técnico em agropecuária no Colégio Agrícola de Garça-SP. Voltou em 1986 e trabalhou em empresas de planejamento agrícola, fecularias e cooperativa. Jogou futebol nos times profissionais de Umuarama e Naviraí e se enveredou pela política, foi secretário de agricultura da Prefeitura por dois anos, no final da década de 90.

Em 2005, largou definitivamente a política para trabalhar na Agro100, onde está até hoje. “Minha vida melhorou muito depois que deixei a política e entrei na empresa”, diz ele, orgulhoso. Bem relacionado e conhecendo todos os agricultores da região, conta que nos primeiros anos suas vendas dobravam a cada ano. “O agricultor tem apenas um objetivo: ganhar dinheiro na sua atividade, e a confiança no técnico e na empresa é fundamental para ele. A Agro100 cresceu junto com a agricultura, que hoje é muito diversificada, e caminha junto com a pecuária que sempre foi a atividade principal da região. A agricultura passou a ser uma fonte de diversificação, produzindo soja, milho, feijão, cana-de-açúcar, mandioca, melancia, melão e abóbora. Essas culturas contribuem para a estabilidade econômica dos produtores e promovem a reforma das pastagens, melhorando o solo e controlando o nematoide e outras pragas”, explica. Ele atende cerca de 30 clientes de Eldorado, Mundo Novo, Japorã, Sete Quedas, Iguatemi e alguns no Paraguai. “Não troco a Agro100 por empresa nenhuma. Aqui eu faço o meu salário e ainda continuo plantando as minhas lavouras”, finaliza.